Cottagecore, Sem categoria

JARDINS INSPIRADOS EM MONET

COMO UMA TELA IMPRESSIONISTA DE MONET, MUITAS PESSOAS SE INSPIRAM E PROJETAM SEUS JARDINS TAL COMO CLAUDE MONET, PINTOR FRANCÊS QUE DEDICOU MAIS DE TRINTA ANOS DE SUA VIDA TRABALHANDO E RETRATANDO O JARDIM DA SUA RESIDÊNCIA EM GIVERNY.

PARA PRATICAR AS SUAS DUAS PAIXÕES: a botânica e a pintura, ele compra uma casa grande, com um celeiro que será seu ateliê , em frente ao qual se estende um grande jardim.

Monet torna esta propriedade, na qual morou de 1883 a 1926, o Clos Normand uma verdadeira obra de arte.

A casa cintila cores por dentro e por fora que diferem dos interiores das escuras casas burguesas da epoca. Em frente à casa, havia uma horta que ele transforma em um jardim vibrante de cores, cultivando inúmeras espécies de flores que florescem em diferentes épocas do ano, dando vida a uma fantasia de cores que mudam conforme a luminosidade.

O jardim de Monet foi organizado em duas partes: um jardim de flores chamado Clos Normand, que fica na frente da casa. O Clos Normand é cheio de flores, árvores frutiferas e ornamentais.

É uma belissima mistura de flores simples com espécies mais raras. logo em seguida está o jardim de água, criado pelo próprio artista e de inspiração japonesa, onde possui um riacho e uma lagoa. Esse jardim está cheio de assimetrias e curvas, que criou a partir de fotos de jardins japoneses que colecionava.

Pintura em tela 1899 / olio su tela 1899 cm 89×93 Parigi, Musée d’Orsay

No jardim da Água está a famosa ponte verde ornada com glicinias, sua lagoa com inúmeras nenufares e sua margem plantada com salgueiro chorão, bambus, peonias e lírios.

O jardim ainda conta com inúmeras rosas trepadeiras e maçiços abundantes de flores e que são um paraiso aos apaixonados por flores

Um tesouro exótico com charme romântico.

Trouxe para vocês algumas inspirações pessoais e de alguns profissionias que se inspiraram no artista e criaram seus próprios jardins estilo Monet.

Referências:

G. GEFFROY, Claude Monet, Sá vie, son cewvre, Ed. Crít. a cura di C. Judrin, Parigi, Mácula, 1980, 1a ed. 1922.

ZAMBIANCHI, Cláudio, I Grande Maestri Dell’arte, Monet e la pittura en plein Air. E-ducation.it S. p. A, Firenze, 2007

Se você gostou deste post curta clicando na estrelinha ⭐ Muito obrigado

Sem categoria

QUANDO O VERÃO ENCONTRA O OUTONO

Seriam duas estações opostas?

Ou dois encontros harmônicos e sinceros.

Esta semana temos um encontro bem esperado todos os anos. Quando o verão encontra o outono.

Os últimos, longos, dias de verão quente e ensolarado com os primeiros dias mais frescos e ventosos de outono.

No jardim há muito que ainda diz verão … na verdade nossas tagetes estão ainda abundantes.

Em outro lugar, as petunias são um ímã para abelhas… sim, para nossa alegria

Gostamos muito da presença constante desses amados insetos polinizadores, pois nosso jardim sempre foi uma atração gastronômica para eles.

Porém os sinais do outono estão, principalmente, em nossas florestas e campos locais. Folhas girando lentamente, Fungos avançando para a luz e prontos para espalhar seus esporos.

Fora de casa, ou no jardim, é uma fusão colorida de duas estações antes do Equinócio de Outono.

Verão ou outono .. não importa qual estação mais bela.

São duas estações lindas e sinceras.

Uma mais contagiante e plena de luz e calor. A outra mais calma é aconchegante.

O outono nos brinda com suas manhãs de nevoeiro, frutas apetitosas e um belo colorido de folhas caindo no chão.

O outono pode ser considerado um período de transição entre o verão e o inverno.

Uma das principais características do outono é a redução gradativa das temperaturas, nos preparando para o frio do inverno.

Inicialmente, os dias e as noites têm a mesma duração, isto é, 12 horas. Na medida em que o outono avança e vamos nos aproximando do inverno, os dias vão ficando mais curtos e as noites mais longas.

A coloração âmbar da cobertura vegetal e a queda das folhas são representativas das mudanças que ocorrem durante o outono.

A coloração âmbar da cobertura vegetal e a queda das folhas são representativas das mudanças que ocorrem durante o outono.

As folhas das árvores adquirem uma coloração que varia entre tons amarelados e avermelhados, resultado da menor incidência de luz solar e diminuição da produção de clorofila. No caso das espécies caducifólias (conhecidas ainda como decíduas), observa-se a queda das folhas, um mecanismo de proteção da planta.

As zonas temperadas da Terra, que são duas das zonas térmicas em que o planeta se divide, estão localizadas em latitudes médias e são aquelas nas quais as características do outono são mais acentuadas e a estação é mais bem demarcada.

O início do outono no Hemisfério Norte acontece entre os dias 22 e 23 de setembro, e seu término se dá entre os dias 21 e 22 de dezembro. Nesse mesmo intervalo de tempo, o Hemisfério Sul está passando pela primavera. A estação pode ser chamada também de outono boreal, em referência ao norte.

No Hemisfério Norte, essa área está localizada entre o Círculo Polar Ártico (66º33’ N) e o Trópico de Câncer (23º27’ N).

A mudança na temperatura traz aquela vontade irresistível de fazer comidinha quente como caldos ou moranga recheada, típica da estação.

E elaborar um lindo jantar italiano, com o maravilhoso fettuccini. Prato típico Romano e Toscano. Harmonizado com uma bela taça de vinho.

Contudo o Outono, realmente é a estação mais aconchegante e charmosa de todas.

E desejo que todos estejam acompanhados com um bom café ou chá quentinho.

Abraços 🤗🧡🤎🧡🤎

Autora: Rachel Barcellos

Rachel Barcellos é pedagoga, professora, produtora, apaixonada por jardim e plantas e criadora do Carpe Diem blog.

Siga no Instagram @rachdebarcellos

Siga no pinterest @barcellos3037